Como Vitor Peçanha transformou o mercado de conteúdo

Fundada por três experientes profissionais do mercado de Marketing Digital, a Rock Content hoje é referência em marketing de conteúdo. Eles acreditam na evolução do relacionamento entre pessoas e empresas, por meio de conteúdo de qualidade.

No RD on the Road, evento de marketing digital e vendas que aconteceu este mês no Rio de Janeiro, conversamos com Vitor Peçanha, um dos fundadores da startup, que chama a atenção não só de clientes, mas também de investidores.

A Rock Content nasceu inspirada em outros mercados pelo mundo, que já sabiam que conteúdo de qualidade era primordial. Hoje eles são líderes em marketing de conteúdo.

“Nós surgimos em 2013, mas já havia outras empresas que trabalhavam com marketing de conteúdo. Mas uma coisa que fizemos foi: se nós vamos oferecer marketing de conteúdo para os nossos clientes, nós temos que ser muito bons em marketing de conteúdo.”

A prova que Vitor Peçanha usa para responder às pessoas por que o conteúdo é importante é que ele mesmo cresceu a Rock Content somente com marketing de conteúdo.

“Isso para mim é a prova, o fato. Mas conceitualmente, hoje em dia as pessoas têm muitas escolhas no dia a dia. Principalmente em relação à internet. Não é igual antigamente que você tinha cinco canais para escolher. A propaganda tinha muito impacto, porque eu não tinha escolha de quando e como eu ia assistir. Hoje, não. O alcance da mídia tradicional está diminuindo.”

Para Vitor Peçanha, o que as empresas notaram foi: “Se as pessoas têm o direito de escolher o canal onde vão acessar o conteúdo, eu vou ser quem vai criar esse conteúdo”.

Foi assim que elas começaram a investir em conteúdo interessante.

Quando o conteúdo é interessante você não só atrai as pessoas para fazer negócio. Mas isso também ajuda com a percepção positiva de marca, com o seu branding de maneira geral. E traz uma audiência sua, que tem muito valor.

De 3 a 330 funcionários em 5 anos

Em dois anos, a Rock passou de três para mais de 100 profissionais no time. Em cinco anos (de 2013 a 2018), foi de três a 330 colaboradores.

Enquanto muitas empresas seguem uma tendência de equipe enxuta, Vitor Peçanha quer crescer cada vez mais. Para administrar uma equipe grande assim e manter todo mundo motivado e alinhado com os valores da Rock Content, ele tem uma estratégia.

“É meio loucura. Eu fundei a Rock com meu sócio em 2013, estamos em 2018, saímos de três pessoas para 330, que é mais ou menos o que temos hoje. Erramos muito no caminho, mas algo que nos ajudou muito, parece até meio clichê ou autoajuda, é que bem no início da Rock nós sentamos e falamos: nós temos alguns princípios que são nosso código de cultura.”

Esses princípios são públicos e estão disponíveis no site da empresa. E para tudo que fazem internamente, se baseiam nesses princípios.

“Tem muitas coisas que fizemos no meio do caminho, óbvio. Por exemplo, como treinamos gerente? Mas tudo isso só deu certo porque falamos: nós somos uma empresa em que todo mundo está focado em aprender, ensinar, resolver, colaborar, respeitar o outro.” E todas as ações que Vitor Peçanha e seu time tomam estão relacionadas a isso.

“Temos uma transparência muito grande com todos os nossos colaboradores, em relação aos números que vamos entregar, onde cada um está, e somos muito focados em métricas. Todo mundo tem um número.”

Um milhão de acessos no blog

O blog da Rock Content, chamado Marketing de Conteúdo, é referência no assunto. Mais de 1 milhão de pessoas são impactadas todos os meses com os materiais gratuitos oferecidos.

blog rock content (1)

Para Vitor Peçanha, poder ajudar empreendedores de todo o Brasil a conhecer, investir e ganhar dinheiro com marketing de conteúdo é uma sensação muito boa.

“Eu brinco que as pessoas estão me agradecendo para eu fazer o meu trabalho. O conteúdo tem que ser muito interessante. Tem que ser valioso para quem está consumindo. É assim que você é encontrado e compartilhado.”

Ele lembra que, no final das contas, esse conteúdo tem toda uma estratégia por trás, que gera negócios para a empresa. “Se gera negócio, é ótimo. Mas todo dia tem alguém me agradecendo por fazer o meu trabalho.”

“Obrigado pelo Marketing”

obrigado-pelo-marketing

Vitor Peçanha acaba de lançar um livro, “Obrigado pelo Marketing”, que é um guia completo de marketing de conteúdo. Ele conta que o título vem de 2015, quando a Rock era bem menor, em um evento em que estava e alguém o agradeceu. “Dá uma satisfação muito grande, porque eu sei que eu já ajudei muita gente.”

Todos os dias, alguém no Linkedin manda uma mensagem agradecendo. “Peçanha, eu consegui emprego por sua causa” ou “eu fui promovido por sua causa” são mensagens diárias na caixa de entrada de Vitor Peçanha.

“É para gerar negócio? É. Só que para gerar negócio você tem que trazer valor para as pessoas. Se você faz isso honestamente, é gratificante.”

Mais de R$6 milhões em investimento

A Rock Content funciona em Minas Gerais, em uma região conhecida como San Pedro Valley, uma alusão ao Vale do Silício. Eles se destacam entre as startups, somando mais de R$6 milhões em investimentos na empresa.

Mas, para Peçanha, é preciso tomar muito cuidado com essa sede de investimento.

“A primeira dica é tomar muito cuidado com isso. Nós tínhamos um foco diferente. O que queríamos era aprovar mercado. Por exemplo, nossa primeira meta foi conseguir 100 clientes. Porque se conseguimos 100 clientes, começamos a validar que existe um mercado.”

Para ele, se você consegue fazer qualquer tipo de serviço, dentro da sua proposta, que traga valor a ponto de trazer 100 clientes pagantes, automaticamente você se torna mais atraente para investidores.

Existe um problema muito grave com as pessoas que acham que investimento é algum tipo de fim. Investimento só vai te trazer mais trabalho, só vai te dar mais dor de cabeça. É ótimo, não é uma reclamação isso. Mas o investimento é um meio para você alcançar o fim. Nunca se esqueça disso.

Ele defende que não adianta montar um pitch e achar que o investimento vem com a ideia. “Como eu provo que existe algum valor no que eu estou fazendo? Como eu entrego o primeiro valor?”

A Rock Content é uma empresa de tecnologia, mas entrega resultado em conteúdo. O primeiro programador foi contratado com mais de seis meses de empresa.

“Porque nos virávamos com o que tínhamos. Porque eu precisava mostrar valor, não tecnologia. Provei, e depois que você tem algo a mostrar sua chance de conseguir investimento aumenta consideravelmente.”

Uma dica de Vitor Peçanha

Para Vitor Peçanha, a principal dica é o clássico “tire a ideia do papel”.

“Mas não tire no sentido de esperar ela chegar exatamente na visão que você tem de produto. É assim: sua ideia vai resolver qual problema? Qual o jeito mais fácil de resolver esse problema? E senta e trabalha.”

Segundo ele, na hora que você consegue resolver o problema de uma pessoa e alguém está disposto a pagar por isso, é um salto gigante do “até agora não resolvi o problema de ninguém” ou do “estou fazendo algo de graça”.

“É validar rápido, e validar o valor, não a solução. Tem muita gente que fica presa na própria solução, sem entender o valor que aquilo traz.”

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *