Série Branding (2/4) -A sua marca tem um propósito?

Assista à segunda aula da série “Branding”, com Rodrigo Galvão. Se preferir você pode ouvir nosso podcast falando sobre este mesmo tema e fazer o download do material de apoio.

Assista ao vídeo:

Escute o podcast sobre o tema:

Material de apoio :

No primeiro vídeo dessa série, Rodrigo explicou o que é Branding. Desta vez, o assunto é propósito. “Isso hoje em dia está sendo muito discutido. Empresas já estão nascendo com grandes propósitos, outras estão tentando buscar um propósito e se reinventar”, explica o professor.

Você sabia que da lista original da Fortune 500 de 1955, 440 marcas não existem mais? Sobreviver não é uma tarefa muito fácil.

A Fortune é uma das revistas mais famosas dos EUA, que trata de riquezas, empresas e empreendedorismo. Em 1955, ela lançou uma edição na qual fez um ranking com as 500 maiores marcas do mundo. Desse total, só 12% existem até hoje.

Ou seja, nesse mundo tão volátil, com todas as mudanças todos os dias, se a empresa não se atentar a essas mudanças, não consegue sobreviver no mercado. A grande questão é que hoje em dia a necessidade das pessoas se sobrepõe à necessidade dos negócios. Isso porque a internet, a tecnologia, as mídias sociais, tudo isso trouxe poder para o consumidor.

O valor do produto está na mão do consumidor, e não mais na mão dos negócios. “Pensa bem. Quando você compra um produto ou consome um serviço de uma empresa e não gosta, o que você faz? Você vai lá nas mídias sociais, nos fóruns, e fala mal daquela marca.”

Rodrigo lembra que isso tem um impacto gigantesco na percepção de valor da sua marca, para outros consumidores que vão ver aquilo. Claro que deve existir um equilíbrio. Mas, você deve pensar prioritariamente na necessidade do consumidor.

Para ele, não são as marcas mais fortes ou mais ricas que vão sobreviver nesse mundo extremamente volátil. Mas, sim, aquelas marcas que tiverem capacidade de se adaptar a um contexto de mudança.

“A sua marca, hoje em dia, tem uma capacidade de adaptibilidade? No contexto do seu mercado, dos seus consumidores, dos seus concorrentes. Se acontecer uma mudança brusca no mercado, você tem a capacidade de se adaptar?”, provoca Rodrigo.

Sua marca é?

Rodrigo gosta de trabalhar com uma tríade para responder a essa pergunta. Sua marca é:

Sua promessa – Por exemplo, a rede Starbucks, que promete “fazer o seu café perfeito”.

Sua reputação – Se a sua reputação é arranhada, vai ser muito difícil você recuperar isso. “É o que chamamos de gerenciamento de crise. Tente identificar os seus pontos de vulnerabilidade e fazer um plano de ação para você conter essa crise caso venha a acontecer”, indica Rodrigo.

O que ela faz e fala – “O que a gente mais vê hoje em dia são marcas falando A, fazendo B, prometendo C, entregando D. Pense muito bem se tudo que a sua marca está falando, ela está fazendo. Em todos os níveis: de negócios, de comunicação, de entrega.”

Estratégias de Branding

O Branding é um processo que alinha três estratégias:

Estratégia de marca – Define a personalidade de uma marca e sua cultura corporativa.

Estratégia de negócios – Define a oferta de produtos e serviços, e o modelo comercial.

Estratégia de comunicação – Planeja e implementa o diálogo entre a marca e seus públicos de relacionamento, compartilhando valores e diferenciais competitivos.

“Um Branding bem feito não trabalha só marca. Ele trabalha negócios, marca e comunicação.” No vídeo acima, Rodrigo explica o que é cada uma dessas etapas.

E o propósito, afinal?

Rodrigo lembra que as marcas fazem parte de um ecossistema. “Eu quero que você tenha em mente que a gente está num processo de extrema conexão. Pense que a sua empresa não está sozinha no mundo. A gente faz parte de um ecossistema de mundo, sociedade e a sua marca no meio, fazendo parte disso tudo. Pense sempre num contexto mais amplo.”

Propósito é uma maneira de pensar o negócio com mais consciência de seus impactos sobre o mundo e de suas relações com os diversos públicos e steakholders.

“Qual é o impacto que a sua marca pretende deixar no mundo? É muito mais do que vender alguma coisa ou prestar algum serviço. Qual o impacto sobre os seus fornecedores, clientes e colaboradores? Os colaboradores devem ser os seus primeiro clientes. Eles acreditam no propósito da empresa ou estão lá trabalhando por trabalhar?”

Rodrigo finaliza com um diagnóstico importante da Pesquisa Officina Sophia – Projeto TIP Ana Couto Branding, que sinaliza que marcas com propósitos reconhecidos pelas pessoas constroem:

Mais conexões;

Relevância;

Engajamento;

Percepção de valor.

Próximas aulas

Não deixe de acompanhar os próximos episódios da série “Branding”, com Rodrigo Galvão:

Dia 20 de abril – Por onde começar: Cultura Corporativa e Personalidade de marca

Dia 27 de abril
 – Por onde começar: Universo Verbal e Universo Visual

Você também pode conferir conteúdos de outros assuntos, como Finanças, Administração e Vendas. Todo dia novos vídeos e podcasts para ajudar você, empreendedor! Veja o calendário de abril.

Perdeu os vídeos de março? Não tem problema! Ainda dá tempo assistir a todo o conteúdo aqui!

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *