Scup: startup que deslanchou com pouco investimento

Renato Shirakashi Scup
Renato Shirakashi, criador da Scup

Melhorar a comunicação entre empresas e consumidores é o que motiva a jornada do empreendedor Renato Shirakashi. Ele é o criador da Scup, plataforma de gerenciamento de perfis sociais, além de General Manager da Sprinklr.

Pouco mais de 10 anos depois do lançamento da Scup, Renato hoje acumula bons resultados, ao transformar a forma de conversa entre marcas e consumidores no meio digital. Por trás dessa história, há muita criatividade e perseverança, como veremos a seguir.

Em 2008, Renato Shirakashi fundou a Direct Labs, com mais dois sócios. A iniciativa ajudava as marcas a se comunicarem em um então novo território digital.

A Scup nasceu como uma ferramenta da Direct Labs. Foi desenvolvida pelo Shirakashi para auxiliar o seu trabalho de marketing de performance e otimizar os processos da agência.

Na época da criação a ideia era que o uso fosse apenas interno, para auxiliá-lo na consultoria prestada às empresas. Mas quando o produto ficou pronto e começou a ser utilizado, Shirakashi e seus sócios perceberam que ele poderia suprir uma necessidade de mercado do momento: fazer as empresas conhecerem e acompanharem o que o público andava falando sobre elas nas redes sociais.

Assim, eles perceberam o potencial de venda do produto e focaram os investimentos na plataforma Scup. Para Renato, estar antenado com o mercado é extremamente importante. Entrar em contato com diversos modelos de negócio e tecnologias emergentes também.

“É muito importante para o empreendedor conviver com diversas áreas de conhecimento, nichos de mercado e participar de diversas atividades. Dessa forma, ao identificar um possível problema a ser resolvido, você também consegue identificar a possível solução para ele. O resto é muito trabalho e resiliência.”

Crescendo por meio do boostrapping

Fundada em 2009, a Scup foi lançada como uma spinoff, termo utilizado para designar aquilo que foi derivado de algo já desenvolvido ou pesquisado anteriormente. O desenvolvimento foi baseado no conceito boostrapping, sem o apoio de recursos externos.

Todo o lucro adquirido pela empresa era retornado para ela, sem receber apoio financeiro de aceleradoras ou investidores anjo, prática comum entre grande parte das startups.

Renato defende que há diversas formas de financiar um projeto. O dinheiro externo como investimento é apenas uma dessas maneiras.

“Na Scup, financiamos nosso desenvolvimento inicial através de serviços prestados por uma agência nossa que atuava em redes sociais. Criamos o produto dentro da agência e, posteriormente, focamos apenas no desenvolvimento do mesmo.”

Em um segundo momento, ele percebeu que com investimento externo poderia crescer mais rápido e, por isso, também optou por esse caminho. Em 2014, receberam o primeiro investimento, vindo da Valor Capital Group.

Um ano depois, por meio de uma conexão com o grupo Direct, foram procurados pela empresa norte-americana Sprinklr, especializada em desenvolvimento de tecnologia para gerenciamento de mídias sociais.

Com a sinergia e compatibilidade entre as duas marcas, a negociação foi natural. Desde junho de 2015 a Scup atua como player de middle marketing da Sprinklr. Ou seja, a grande norte-americana adicionou a Scup ao seu portfólio e oferece a estrutura do departamento de marketing para que o Shirakashi possa continuar desenvolvendo novas ideias.

A partir dessa parceria, surgiu o segundo produto desenvolvido pelo Renato, o Scup Care, uma plataforma digital acessível a pequenas e médias empresas. Seu objetivo é tornar a relação entre cliente e empresa mais humana e próxima.

Como ele ajuda outras empresas

A Scup tem a missão de ajudar empresas a promoverem uma experiência verdadeiramente relevante aos seus consumidores. E hoje se valoriza muito essa experiência do consumidor.

Para Renato, isso se aplica à maioria das empresas. Segundo ele, a experiência do consumidor está ligada a qualquer ponto de contato, direto ou indireto, entre as duas partes.

“Podemos considerar não só o uso de um produto ou serviço como fonte de experiência, mas também o suporte ao cliente, as ações de marketing e comunicação, o site, ou mesmo a maneira com que os funcionários se comunicam com os clientes. Tudo pode ser fonte de experiência, então a empresa deve estar atenta a todos esses detalhes.”

A Scup Care veio reforçar ainda mais essa relação entre empresa e consumidor. Renato percebeu, mais uma vez, uma necessidade do mercado e, a partir disso, buscou criar uma tecnologia para gerar experiências mais ricas e próximas.

“Disponibilizamos tecnologia para que as empresas pudessem gerar e gerir experiências incríveis para seus consumidores, independentemente do ponto de contato, de forma consistente em todos eles. Temos, por exemplo, uma timeline unificada do usuário que mostra todas as atividades em todos os pontos de contato juntas.”

O formato de comunicação na ferramenta é parecido com os chats e messengers mais modernos, dinâmicos e eficientes. Permitem conversas rápidas e mais pessoais. Além de comunicações utilizando emojis e gifs.

Antes do sucesso…

Antes da Direct Labs e da Scup, Renato teve outros dois projetos que não foram para frente. Ele criou e desenvolveu outros dois produtos também relacionados ao advento das redes sociais.

O Beezer era um fórum para promover a conversa entre consumidores sobre produtos e marcas. Já o Via6 era uma rede social profissional, no estilo Linkedin, que chegou a ser adquirida por um grupo de investimentos, mas acabou não indo para frente.

“Acho que, como todo empreendedor, errei em praticamente todas as áreas que poderia. O importante é aprender com seus erros e ter resiliência para buscar novas soluções.”

Para Renato, de forma geral, o maior erro foi demorar a reagir para tomar decisões importantes assim que um cenário negativo se mostrava. “Reagir e mudar é o mais importante, pois estatisticamente você vai errar muito mais do que acertar.”

Segundo ele, cada história tem uma dificuldade diferente. “A minha foi de cunho financeiro e gerenciamento da minha vida pessoal, pois empreender é investir tempo e dinheiro em um projeto que estatisticamente tem chances pequenas de dar certo. E mesmo assim continuar.”

Com o Scup, ele quer transformar o atendimento

Renato é formado em Ciências da Computação pela Universidade de São Paulo e desenvolvedor de produtos da área de tecnologia, focadas em melhorar a comunicação entre empresas e consumidores. Hoje atua como General Manager da multinacional Sprinklr, onde tem o apoio e respaldo para a o desenvolvimento da sua principal criação, a plataforma Scup.

Ele quer transformar a forma de atendimento das empresas. Ao oferecer uma solução completa e 100% digital, espera que as marcas criem uma relação mais próxima e humanizada com os seus consumidores.

Aprender com os erros e ter resiliência para seguir acho que foram os fatores principais. Alguém que é capaz de aprender e se reerguer pode cometer diversos erros, mas se pode aprender com eles, rapidamente encontrará algum caminho viável ao longo do tempo.

Para Renato, dificilmente você pode dizer que “dessa vez foi diferente por isso ou aquilo”. Cada história deve contar um fator de sucesso diferente, quando no final das contas são fatores mais comportamentais.

O conselho que ele deixa para você, empreendedor, é: “Uma idéia no papel não vale nada. Comece a implementar”. E completa: “Se precisar aprender como implementar, aprenda. E não foque em criar uma empresa, foque em criar um produto ou serviço que resolva as dores do cliente”.

Para ele, um empreendedor de sucesso deve ser curioso e focado. “Também acho essencial um certo grau de inteligência para aprender rápido. E, no final das contas, um pouquinho de sorte.”

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *