Professores empreendedores: como monetizar o conhecimento e ajudar pessoas

Uma profissão tão tradicional vem se reinventando e se revelando um mercado promissor para empreendedores.

Para muito além das tradicionais salas de aula, é cada vez mais comum vermos professores empreendedores, que usam todo o seu conhecimento e didática para colher bons frutos no meio físico e digital.

Conversamos com Patrícia Lancellotti, professora e pedagoga que recentemente mergulhou no mundo do empreendedorismo.

Ela leciona em uma tradicional escola particular do Rio de Janeiro, produz conteúdo gratuito para pais e filhos na internet, e prepara seu primeiro curso online voltado para esse público.

Da sala de aula para o digital

Para Patrícia, o empreendedorismo na vida profissional de um professor é consequência.

“Nosso maior foco é aprimorar o conhecimento dos estudantes, transformar os ensinamentos tradicionais em um ensinamento mais moderno e mais acessível, onde todos tenham a possibilidade de desenvolver habilidades e estejam prontos não só para o Enem e para o vestibular, mas para o mercado de trabalho.”

Nesse sentido, o empreendedorismo vem como consequência de tentar atingir um público maior.

“Dentro de uma sala de aula, eu vou atingir os pais com que tenho contato naquele ano. Quando você cresce e faz um trabalho diferente, você começa a expandir esse conhecimento, fazendo com que outras famílias tenham a oportunidade de desenvolver esse trabalho com seus filhos.”

Professores no Linkedin

Que o Linkedin é uma ótima ferramenta para profissionais não é segredo para ninguém. Com os professores, não precisa ser diferente.

“A princípio, não acreditei muito. O professor ainda está muito preso ao papel e ao contato do currículo.”

Mas, Patrícia também se rendeu ao Linkedin. Começou a procurar alguns coordenadores, orientadores e psicólogos dentro de algumas instituições.

Foi quando encontrou a psicóloga do Colégio Notre Dame Ipanema, onde leciona atualmente.

Enviou uma mensagem perguntando se naquele ano teria processo seletivo, e a psicóloga imediatamente respondeu, pedindo que Patrícia enviasse seu currículo para determinado e-mail.

Uma semana depois, ela foi convidada para a entrevista. “O Linkedin me abriu uma porta que hoje eu valorizo muito.”

Além desse episódio, Patrícia percebeu a importância de produzir conteúdo nessa plataforma, para ser visto pelo mercado.

“É importante porque outros profissionais dentro da sua área conhecem o seu trabalho, começam a perceber o seu crescimento na profissão, suas áreas de estudo, seu aprofundamento na área.”

Filhoz, com Z

Além das aulas presenciais que dá no colégio onde mantém seu emprego fixo, Patrícia hoje se divide entre essa atividade e um projeto no meio digital.

No site Filhoz (com “z” mesmo), ela escreve e publica vídeos sobre temas como os perigos das redes sociais para crianças e adolescentes, como ajudar seu filho a estudar, como organizar a rotina familiar, transição entre os níveis de ensino, hiperatividade e muitos outros.

“Filhoz é escrito com z, porque tudo isso teve início quando eu comecei a pesquisar sobre a geração Z. E não fica por aí, tem a X, a Z, a Y, e hoje já temos a alfa. É essa geração tecnológica, que foge da comunicação, que foge do olho no olho. E o professor precisa resgatar isso, além de ter ao lado a tecnologia.”

Patrícia conta que percebia que atendia a um grupo de pais com os quais ela fidelizava seu trabalho durante um ano, o ano escolar.

“Quando acabava o ano, eu ficava pensando, será que o que eu construí com esses pais e estudantes vai ter uma continuidade? Será que minha voz ainda vai penetrar na casa dessas famílias?”

O professor, segundo Patrícia, passa a fazer parte da família do aluno durante um ano. “Você conhece a história daquela família, ajuda, aconselha, sofre junto, fica feliz, você faz parte.”

Mas, era exatamente isso que a angustiava. Seu grande desejo era tentar “salvar” todas as famílias e estudantes que passavam por ela na sala de aula.

Eu tenho 27 anos de sala de aula, e durante todos esses anos, minha maior preocupação foi: eu não posso resolver o problema do mundo, mas os que passam por mim eu vou resolver.

Nessa hora, a ajuda do marido foi essencial. Profissional da área de Marketing, ele incentivou Patrícia a passar sua mensagem a milhões de famílias.

Com isso, eles colocaram no ar o site Filhoz, com materiais gratuitos voltados para pais e filhos.

“Você vê o resultado quando as pessoas do seu próprio trabalho, alguns pais e amigos chegam e falam: ‘Nossa, ficou lindo aquele vídeo, era aquilo que eu queria ouvir, era aquela dúvida que eu tinha’.”

É esse tipo de retorno que faz Patrícia acreditar que está no caminho certo, ajudando cada vez mais pessoas.

Curso online para pais

Muito em breve, Patrícia vai lançar o curso de mentoria para pais do Filhoz. A produção está a todo vapor, com a ajuda no marido, em sua própria casa, transformada em um estúdio para o projeto.

“Esse curso é extremamente interativo. Toda aula, eles têm um desafio, como se fosse um trabalho de casa. Porque eu aprendi na Neurociência que tudo que só escutamos, não aprendemos. Só aprendemos quando colocamos a mão na massa.”

Mesmo com o objetivo de massificar seus ensinamentos e atingir mais pessoas, Patrícia se preocupa bastante com sua presença em todo o treinamento.

“Vamos ter fórum, vamos ter debate, o trabalho de casa que eu vou cobrar deles. Apesar dessa distância tecnológica, eu pretendo estar muito próxima dessas famílias.”

É professor e quer empreender?

Para quem também é professor e pensa em monetizar seu conhecimento assim como Patrícia, ela deixa algumas dicas:

Nunca pare de estudar
“Hoje eu leio mais do que qualquer pessoa.”

Atualize-se sempre
“Você precisa estar o tempo todo atualizado e sabendo o que está acontecendo.”

Pense nos estudantes de hoje
“Os nossos estudantes não são mais os estudantes de antigamente. Hoje eles chegam na sala de aula com muito mais informação.”

Inove
“O nosso papel hoje é inovar. E muito mais mediar do que ser aquele professor autoritário.”

Saiba escutar
“Hoje a sala de aula é o lugar onde o professor escuta muito. Porque o aluno traz muita informação e sabe muita coisa. O professor cresce quando ele escuta o aluno, quando ele dá essa voz ao aluno.”

Ame o que você faz
“Não existe professor sem amor. Eu me apaixono pelas minhas turmas, me envolvo e cuido dos meus alunos como filhos.”

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *