Por que os pequenos negócios quebram?

Com certeza você já viu pequenos negócios quebrarem, certo? Aquela lojinha perto de casa ou até um empreendedor que trabalha sozinho já sofreram desse mal. No Brasil, são mais de 6 milhões microempreendedores (MEI) cadastrados no Portal do Empreendedor (dados de fevereiro de 2018).

Segundo o Sebrae, 98,5% das empresas no Brasil são micro e pequenos negócios. Bastante coisa, não é? Mas o dado que desanima é: segundo o IBGE, de cada dez negócios abertos no Brasil, seis fecham antes de completar cinco anos. Uma estatística triste de ver.

Se você é empreendedor e investe ou quer começar a investir em pequenos negócios, não desanime! Para que você fique de fora dessa estatística, fomos atrás da resposta à pergunta: por que os pequenos negócios quebram?

pequenos negócios

Por que os pequenos negócios fracassam?

Muito se fala em crise, aumento de impostos e outros fatores que atrapalham a vida do empreendedor. Mas na maioria das vezes, o problema é interno. Segundo pesquisa do Sebrae, as três principais causas desse fracasso são:

Falta de conhecimento por parte do empresário;

Falta de lucro nas vendas;

Falta de capital de giro.

O dinheiro, claro, influencia diretamente. Mas outros fatores também são decisivos. Um dos primeiros pensamentos que o microempreendedor deve ter é saber que o que se aplica a grandes empresas pode não vai funcionar. A lógica é diferente, a estrutura é outra, e pequenos negócios possuem uma dinâmica bem diferente.

Gestão financeira é essencial

Planilha para valuation

Uma forma de o empreendedor ter maior controle, estabilidade e tranquilidade para investir em pequenos negócios é basear-se em quatro pilares. Veremos a seguir cada um deles.

Gestão Financeira
A parte financeira é o coração dos pequenos negócios. E é preciso muito cuidado para garantir o controle do dinheiro. A gestão financeira é a movimentação do dinheiro, levando em consideração as datas dos recebimentos e dos pagamentos.

É administrar o negócio conciliando as entradas com as saídas, evitando lacunas que não permitam a quitação de despesas por falta de entrada de vendas. Pequenos negócios precisam de uma gestão financeira simples, prática e fácil de se implantar.

Planejamento
O Sebrae define que “planejar estrategicamente significa compatibilizar as oportunidades oferecidas pelo ambiente externo às condições internas, favoráveis ou não, da empresa, de modo a satisfazer seus objetivos futuros”.

Com o planejamento estratégico é possível definir onde os pequenos negócios estão, para onde querem ir e como chegar lá.

Gestão de Pessoas
A liderança é fundamental. Desenvolver o crescimento dos integrantes dos pequenos negócios e criar um ambiente em que a meritocracia funciona para todos os funcionários faz com que o grupo caminhe na mesma direção.

Marketing e Vendas
Outro pilar importante quando o assunto é dinheiro. O marketing já se consagrou como uma ótima ferramenta para alavancar resultados. E o setor de vendas deve caminhar junto. É preciso criar estratégias e se posicionar no mercado para gerar valor junto aos consumidores. Investir na equipe de vendas também é uma boa aposta.

Confira todos os vídeos e podcasts de marketing digital, vendas, administração, finanças e direito

O problema pode estar no dono

Já falamos que os motivos para os pequenos negócios quebrarem são mais internos (dentro da empresa) do que externos (do mercado). Mas o que poucos percebem é que eles podem ser mais internos ainda: dentro do dono.

Você sabia que o empreendedor convive, basicamente, com até três personalidades dentro dele? Segundo um estudo da E-Myth Worldwide, publicado no livro O Mito Empreendedor, uma das principais razões para que a maioria dos pequenos negócios quebrem é a briga entre as personalidades existentes dentro do próprio dono da empresa.

Michael Gerber, autor do livro, destaca que há três tipos de personalidades em cada empresário. E é justamente o atrito entre elas o principal culpado para a falta de sucesso. Vamos conhecer esses três perfis então.

Home office

1. Técnico

É operacional, aquele que coloca a mão na massa, gosta de trabalhar fazendo. Esse perfil representa 70% do empreendedor novato. Vive o presente, desconfia de ideias ambiciosas, é focado na realização.

Segue à risca a frase “se quer bem feito, faça você mesmo”. Por isso, acha que ninguém desempenha uma tarefa tão bem quanto ele.

Ele erra quando pensa que vai investir em um negócio e continuar trabalhando da mesma forma, mas ganhando mais e com maior liberdade.

2. Administrador

Gosta de planejar e calcular tudo. Tem perfil pragmático, vive o passado, insiste em aprender com os erros para se organizar melhor. É calculista e tem calma, para primeiro “conhecer a casa” e só depois colocar os planos em prática. Representa 20% do perfil de empreendedores.

3. Empreendedor

Representando 10% do perfil empresarial, é sonhador, visionário e criativo. Tem sempre ideias para mudar e transformar o negócio. Vive no futuro, do tipo que termina de conquistar um sonho já pensando no próximo. Só acha que se não for ele, ninguém cria nada.

Quer saber, enfim, por que os pequenos negócios quebram? Muitas vezes porque o dono não consegue contrabalançar esses três perfis. São três personalidades diferentes competindo. E o ideal é que convivam de maneira saudável para o negócio.

Os donos de pequenos negócios precisam ter consciência de que para crescer, vão precisar dos três perfis. Cabe a eles reconhecerem o seu perfil predominante e dar espaço para as outras duas personalidades atuarem dentro de cada área. Um bom caminho é contratar pessoas com perfis complementares.

Ouça o nosso podcast sobre: “Oportunidades de negócio para 2018”

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *