Manual completo para abrir um ecommerce

Para os pequenos empreendedores, investir em uma loja online pode ser mais barato e com um retorno melhor do que uma loja física. Talvez por isso, abrir um ecommerce tornou-se o sonho e o modelo de negócio de muitas pessoas.

O comércio eletrônico registrou faturamento de R$59,9 bilhões em 2017. Os dados são da Associação Brasileira do Comércio Eletrônico (ABComm). E as expectativas para 2018 são animadoras. É estimado um faturamento 15% maior para este ano na avaliação da mesma entidade.

Se você pensa em abrir um ecommerce e não sabe por onde começar, ou se já colocou sua ideia em prática mas quer melhorar sua loja virtual, esse artigo é para você! Para nos ajudar nessa missão, convidamos dois especialistas no assunto.

abrir um ecommerce
João Moressi Junior, sócio-diretor da Opah IT Consulting (Foto: Claudia Prisco)

João Moressi Junior é sócio-fundador da OPAH IT Consulting. Sua empresa oferece serviços de tecnologia e desenvolvimento de soluções customizadas. Sua missão é agilizar os negócios e maximizar o lucro dos seus clientes.

abrir um ecommerce
Felipe Rodrigues, sócio-fundador do Enviou (Foto: Divulgação)

Felipe Rodrigues é especialista em e-commerce e sócio-diretor do Enviou, site de ferramentas que ajuda lojas online a venderem mais. A marca oferece um conjunto de ferramentas que engloba e-mail marketing, recuperação de carrinho e cobrança de boletos, entre outros.

Por que investir em uma loja online

Para Felipe Rodrigues, o fato de o investimento inicial de uma loja virtual ser muito inferior a montar uma loja física é um grande atrativo. Ainda mais para empreendedores de primeira viagem.

Ele nos ajuda a comparar os dois modelos, para que você tenha uma ideia dos custos.

⇒ Loja física
“Para montar uma loja física é necessário um ótimo ponto comercial, investimentos em móveis, decoração, estoque físico, equipe de vendas, entre outros custos.”

⇒ Loja virtual
“No caso de uma loja virtual, basta escolher uma plataforma, que existem gratuitas, comprar layouts ou contratar uma agência. O que pode ter um custo variado de R$100 até R$1.500. Após isso basta cadastrar os produtos e começar a vender online.”

João Moressi defende que o e-commerce é a melhor maneira de o pequeno empreendedor iniciar uma loja. “Os investimentos inicias são inferiores. Existe sim a necessidade de investimentos na loja virtual, porém, o investimento é menor.”

Além disso, ele lembra que não há a necessidade de se preocupar com imóvel (compra ou locação), manutenção do local, escolha do melhor ponto comercial, quantidade de estoque para formatar a loja, entre outros.

“Sem contar que com o e-commerce, a abrangência da sua loja não se limita a uma posição. O mundo inteiro pode chegar até você utilizando as ferramentas corretas.”

Primeiro passo para abrir um ecommerce

Segundo João, antes de começar, o empreendedor deve saber exatamente aonde quer chegar. “Uma loja virtual é como qualquer outro negócio, ou seja, exige muita dedicação, tempo e dinheiro.”
Para ele, os primeiros passos básicos são:

⇒ O que você irá vender?

⇒ Qual é o seu consumidor?

⇒ Quem são seus fornecedores e concorrentes?

primeiros passos para seu ecommerce

“Essas perguntas devem ser bem respondidas para poder iniciar o modelo de negócio online.” Depois disso, ele orienta que se crie uma estrutura mínima e vá escalando conforme o aumento da demanda. Dessa maneira fica mais fácil você corrigir possíveis falhas de execução.

“Escolha um domínio simples, com pronúncia fácil. Tenha bem definida a forma de atendimento pré e pós-venda, logística, financeiro e marketing para alavancar o negócio.”

João acredita que a escolha da plataforma também é muito importante. Caso o negócio seja iniciado do zero, não é recomendado utilizar plataforma com código próprio.

“Inicie com plataformas online, baratas. E assim que o negócio engrenar, construa sua própria loja utilizando ferramentas open source, como o Magento, por exemplo.”

Para Felipe, o primeiro passo deve ser escolher uma plataforma de e-commerce que tenha os requisitos técnicos que você precisa. “Deve ter baixo custo e deixar o layout de loja com visual profissional.”

Como se destacar com sua loja virtual

Diante de uma oferta imensa de lojas virtuais hoje em dia, se destacar nesse meio é um grande desafio. O diferencial que todos buscam, para Felipe, depende muito do segmento de atuação.
“Mas a primeira coisa com a qual se preocupar é o cadastro dos produtos, que deve ter todas as características bem claras, além de ótimas fotos. Para não gerar dúvidas na hora da compra.”

Outro ponto que ele destaca é a experiência do cliente desde o primeiro acesso até a entrega do produto comprado. “Muitas lojas pequenas ganham espaço em um mercado extremamente competitivo ao atender o cliente de forma eficiente.”

Segundo João, Marketing é fundamental para atingir o consumidor. “Utilizando as ferramentas de marketing digital, você consegue fazer com que as pessoas cheguem até você.”

Para se destacar, ele indica investir em anúncios e banners de sites voltados ao seu nicho. Por exemplo, o Google Shopping. Firmar parcerias com blogs do seu segmento e fazer publiposts (posts pagos) também é indicado.

“A utilização das redes sociais tem uma grande abrangência. Crie FanPage no Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest.”

O que pode levar um e-commerce ao fracasso

Que a Internet foi invadida por milhares de lojas virtuais, você já sabe. Mas, sabia que muitas delas não conseguem seguir adiante?

“Hoje, no Brasil, estima-se que são abertas mais de 2 mil lojas virtuais por dia. Uma triste realidade é que muitas dessas lojas não alcançam os seis primeiros meses no mercado”, revela Felipe.
Para ele, esse fracasso pode se dar por diversos motivos. Mas um dos maiores inimigos do empreendedor é a falta de dedicação e de tempo. “Diferente de trabalhar em outros lugares, se o empreender não o fizer, ninguém mais fará por ele.”

cuidados com seu ecommerce

João credita esse fracasso a quatro pontos principais:

⇒ Falta de um bom atendimento pré e pós-venda;

⇒ Entrega fora do prazo;

⇒ Site não atualizado constantemente com conteúdo novo;

⇒ Não ter uma excelente usabilidade e facilidade na compra.

“Caso esses itens não sejam executados com qualidade, a chance de fracasso é muito grande.” De acordo com João, o cliente precisa entrar no site, gostar, fechar a compra e receber conforme orientação dada durante o processo de compra.

Passo a passo para abrir um ecommerce

Para criar esse manual completo para abrir um ecommerce, pedimos aos dois especialistas que dessem dicas sobre os principais pontos que devem ser considerados.

A seguir, você confere dicas valiosas que vão ajudar a criar e impulsionar sua loja virtual!

Plano de negócios

Para João, um bom plano de negócio deve possuir, no mínimo, os seguinte itens:

⇒ Cronograma geral: datas importantes da loja virtual, planejamento mensal e anual;

⇒ Planejamento financeiro com ciclo operacional, financeiro, marketing e gastos fixos, como servidor de hospedagem, internet, marketing e estoque;

⇒ Modelos de personas e informações de clientes;

⇒ Plataformas gratuitas para investigação e coleta de dados;

⇒ Custos envolvidos na fabricação ou aquisição dos produtos que serão vendidos no ecommerce;

⇒ Planejamento de marketing digital anual: linkbuilding, campanhas diárias, edições e publicações;

⇒ Plano de metas mensal, semestral e anual.

“Claro que, para cada segmento, existem algumas particularidades. Mas os itens acima já serão suficientes para o início do negócio.”

Felipe lembra que é importante criar planos de negócio bem documentados e detalhados. Mas também estar aberto a futuras adaptações. “Muitas vezes o negócio vai levando a novos caminhos, que o empreendedor jamais imaginou que seria um ótimo mercado.”

Aderência dos produtos

Segundo Felipe, para um primeiro negócio, um bom começo é estudar algo que já exista. Que muitas pessoas ou empresas já tenham necessidade.

“Uma vez que conseguir colocar seu produto no mercado, você pode criar opções para determinados nichos ou demandas específicas. Vale fazer pesquisa de mercado.”

O ecommerce, na opinião de João, é uma reprodução, em ambiente digital, de um processo físico. “Ou seja, quanto mais a experiência da compra online for relacionada a uma compra natural física, a aderência para a compra será melhor.”

Ele lembra que lojas virtuais que possuem menor quantidade de clicks para a compra possuem mais sucesso. Vendas de móveis, por exemplo, possuem boa reprodução quando utilizada realizada aumentada na exemplificação do produto.

Descritivo dos produtos

A descrição do produto, segundo João, precisa ter:

⇒ Técnicas de SEO;

⇒ Consistência de palavras-chave;

⇒ Apelo comercial;

⇒ Informações técnicas do produto: tamanho, cor, número, material, peso e etc;

⇒ Diferenciais do produto;

⇒ Por que o cliente está comprando o produto.

É importante também ter alguns cuidados na descrição dos produtos:

⇒ Evite termos, políticas de trocas e de envio (isso é importante mas apenas no seu setor);

⇒ Não copie informações de outras lojas (isso perde a originalidade e confiança);

⇒ Não adicione muitas cores e imagens na descrição.

É muito importante que a descrição dos produtos realmente leve informações diretas e claras ao consumidor. Essa é a orientação de Felipe Rodrigues.

“Uma dica é pesquisar em buscadores como o produto pode ser procurado pelo cliente para incluir palavras-chave relevantes nas descrições e conseguir tráfego orgânico.”

Imagens das peças

Item muito importante e decisivo na hora da compra! As fotos, segundo Felipe, precisam ser comerciais e adequadas para o tipo de negócio.

Por exemplo: no caso das lojas de moda é interessante uma modelo de boa aparência, que combine com a roupa que está sendo vendida.

“Muitas pessoas gostam de se inspirar nas fotos e imaginar como são as peças e como elas ficarão com o produto.”

Outro exemplo é uma loja que vende peças de carro. “Talvez as principais informações possam estar na imagem, algo mais técnico.”

Para João, quanto mais realista as imagens forem, melhor a captação do cliente. “As imagens são as amostras, ou seja, serão exibidas em vitrines virtuais.”

Vídeos das peças

Os vídeos têm tomado conta da Internet, em todos os sentidos. O consumo de vídeo aumentou exageradamente, e a tendência é que nos próximos anos ele se torne a principal fonte de informação aos usuários.

Então, por que não utilizar vídeos também no seu ecommerce?

“Vídeos são interessantes para demonstração de uso, instalação, compatibilidade e mostrar que aquele produto é útil e fácil de usar”, explica Felipe.

Um exemplo: uma loja que vende produtos de cabelo pode usar blogueiras ensinando como aplicar o produto.

“Os vídeos possibilitam uma amostra mais real do que a imagem simples e, quando possível, devem ser utilizados”, recomenda João.

Google Analytics

Muitas pessoas ainda não sabem o potencial dessa ferramenta do Google. Mas se você quer abrir um ecommerce precisa estar atento ao Google Analytics.

“A utilização de acompanhamento do comércio eletrônico é fundamental para o sucesso da loja”, diz João.

Com o Google Analytics você pode monitorar as transações, receita gerada, visitas, compras bem sucedidas, pontos onde o cliente está tendo dificuldade, valor médio de compra, quantidade de compras total e únicas, e muito mais.

“É a ferramenta mais usada para analisar tudo que acontece na loja virtual. Onde as pessoas estão encontrando a loja? Como elas estão chegando aos produtos? Quais mídias estão dando mais retorno em vendas?”, completa Felipe.

Teste de produtos

Segundo João, através de técnicas de growth hacking, é possível identificar a melhor forma de comportamento dos produtos. “Com elas podemos ter hipóteses e experimentos que geram uma melhor conversão de venda.”

Para ele, o teste A/B é uma das técnicas mais fácil e rápida de ser executada.

Campanhas de vendas

Ao criar uma campanha de vendas, o mais importante, segundo Felipe, é entender o público que você tem que impactar. Só assim você vai acertar e despertar interesse em comprar seus produtos.

analytics e adwords

“Existem várias maneiras de impactá-las. É preciso encontrar a mais barata.” Para Felipe, esse trabalho pode acontecer das seguintes maneiras:

⇒ Campanhas de google adworks e google shopping

⇒ Facebook em diversos formatos

⇒ Relacionamento via E-mail marketing para pessoas que já compraram

⇒ Rede de afiliados, empresas que possuem pessoas e/ou empresas que divulgam a loja

⇒ Influenciadores, como artistas e blogueiros.

Entrega dos produtos

Esse é um dos grandes problemas do ecommerce, sem dúvida. “Especialmente quando há empresas que dominam o mercado, como os Correios, cujo serviço é caro e ineficiente”, lembra Felipe.

De acordo com ele, é preciso buscar alternativas, como as transportadoras, para auxiliar nessa entrega.

“Outro ponto importante é como as pessoas vão receber os produtos que compraram. Essa experiência vai determinar se o cliente vai comprar novamente em sua loja virtual.”

Meios de pagamentos

A orientação de Felipe, nesse sentido, é: “Busque o meio que tem a melhor taxa e transfira o dinheiro mais rápido”.

Ferramentas adicionais

Hoje é grande a oferta de ferramentas que podem ajudar o empreendedor a abrir um ecommerce e aprimorá-lo. Todos os dias nascem novas plataformas para isso.

“Podemos listar ferramentas de recuperação de carrinhos, cobrança de boletos, coleta de opiniões de compra, atendimento via chatbot, recomendação de produtos, entre outras”, enumera Felipe.

Mas, para ele, o que vale a pena é sempre medir o resultado que essas ferramentas trazem ao negócio.

Dicas extras

João cita, além do Google Analytics, uma outra ferramenta importante: o Google Tag Manager. “Com ele você pode adicionar um código na página sem necessidade de manutenção no ecommerce, usando apenas tags e um pouco de javascript.”

Para quem quer abrir um ecommece, Felipe lembra que empreender é algo extremamente trabalhoso e não acontece do dia para a noite. “Engana-se quem pensa em abrir um negócio para ter mais tempo e liberdade. Muitas vezes o negócio acaba ocupando o dobro do tempo que o empreendedor imagina, como finais de semana, feriados e até noites inteiras.”

Mas, epesar de todo esse trabalho, ele acredita que empreender é uma jornada de aprendizado que pode levar o empreendedor a muitos lugares que ele nunca imaginou.

“Conhecer pessoas, parceiros, sócios, funcionários incríveis. Talvez, um dos pontos mais gratificantes aconteça quando seu negócio impacta positivamente a vida de milhares de pessoas e elas dependem de sua empresa para algo que elas necessitam”, finaliza.

Dicas de como se diferenciar no seu e-commerce

Alfredo Soares fundou a startup XTech Commerce. Três anos depois, vendeu a empresa por R$14 milhões. Hoje ele é referência no mundo das lojas virtuais e, no vídeo abaixo, dá valiosas dicas para quem quer se destacar com um e-commerce. Conversamos com Alfredo no Carioca Valley Day, evento que aconteceu no Rio de Janeiro, voltado para empreendedores.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *