Investimentos melhores que a poupança

A maioria dos brasileiros investe o dinheiro que sobra no final do mês na famosa caderneta de poupança. Porém, será que esse é o melhor lugar para deixar o seu dinheiro guardado? A resposta é não, porque na poupança as cédulas não rendem, fazendo com que elas fiquem praticamente paradas.

poupança
O dinheiro na poupança não rende

A população investe na poupança há mais de 150 anos, pensando ser a forma mais segura, prática e fácil por não exigir muito conhecimento sobre o assunto. Além disso, o retorno do dinheiro é praticamente certo para as pessoas.

Quando surgiu a poupança?

A história da poupança surgiu em 1861, com o penhor quando foi criada a Caixa Econômica Federal e do Monte de Socorro. quando o uso em massa desse tipo de investimento, tornou-se uma questão mais cultural do que finaceira.

A poupança foi decretada pelo Imperador Dom Pedro II, que definiu o rendimento anual de 6%. E, mesmo depois de séculos, a taxa permanece praticamente a mesma. Segundo historiadores, a poupança foi importante para permitir que escravos guardassem suas economias e comprassem a própria carta de alforria. Até hoje, ela segue como queridinha dos brasileiros, principalmente das classes com menor renda.

O cálculo do rendimento da poupança

Para calcular o rendimento da poupança é preciso levar em consideração dois fatores: a taxa Selic que é a famosa taxa básica de juros da economia.Para entender como ela influencia nos rendimentos, alguns dados: a Selic vem despencando desde outubro de 2016 (14,25% ao ano) e atualmente está em 7,5% ao ano.

Além disso, a poupança também depende da chamada Taxa Referencial (TR). Send esse, um indicador que é instável e que tem um cálculo complexo e, no fim, faz pouca diferença.

É importante lembrar que na poupança não há rendimento diário. Seu dinheiro aplicado só recebe a correção depois de 30 dias do depósito.

Por exemplo, se você depositar R$1.500 em 15 de outubro e realizar um saque de R$1.000 em 14 de novembro, os juros serão calculados somente sobre R$500.

O cálculo dos juros

O cálculo é feito sobre o valor depositado na caderneta, sendo que a data de pagamento é a data de aniversário da conta. Considera-se data de aniversário o dia do mês de abertura da conta. Caso essa data seja os dias 29, 30 e 31,considera-se o dia 1° do mês seguinte.

Conforme a legislação atual, a remuneração dos depósitos de poupança é composta por duas parcelas:

1) Remuneração básica, dada pela Taxa Referencial;

2) Remuneração adicional.

Já a remuneração adicional, por sua vez, é calculada da seguinte forma:

1) Quando a taxa Selic ao ano for superior a 8,5% = 0,5% ao mês;

2) Quando a taxa Selic ao ano for igual ou inferior a 8,5% = 70% da taxa Selic ao ano, mensalizada, vigente na data de início do período de rendimento.

A remuneração é depositada na data de aniversário, ao final do período de rendimento. Esse intervalo pode ser:

Mensalmente: para depósitos feitos por pessoa física ou entidades sem fins lucrativos.

Trimensalmente: para todos os outros tipos de depósitos.

As tabelas de remuneração podem ser consultadas no site do Banco Central.

Simulando a poupança

Com a internet ficou mais fácil de simular os rendimento das poupanças, para que o cidadão consiga saber de quanto será o retorno. O próprio Banco Central disponibiliza em seu site a Calculadora do Cidadão.

Na ferramenta, é só preencher os campos “Data Inicial”, “Data Final” e “Valor a ser corrigido”, selecionar “Nova” como regra de correção e clicar em “Corrigir valor”. O simulador dá informações detalhadas do rendimento, como a correção pela TR e pela taxa Selic.

. Confira os melhores investimentos em 2018!

5 investimentos melhores que a poupança

Mesmo não rendendo muito, a poupança ainda é a mais procurada pelo brasileiros, com argumento da segurança do dinheiro. Se você quer motivos para investir em outras modalidades que tragam retorno sem deixar de lado a segurança, preparamos uma lista com as cinco melhores.

  • Tesouro Direto: é um título comprado do próprio governo, e por isso é considerado a aplicação mais segura do mercado financeiro brasileiro. O Tesouro Direto costuma ser a primeira saída para fugir da poupança. No primeiro semestre de 2017, o Tesouro Direto rendeu mais que o dobro da poupança. É atrativo quando o assunto é a liquidez, já que você pode vender seus títulos a qualquer momento e receber o dinheiro no dia seguinte. Possui uma cota de custódia de 0,3% ao ano sobre o valor total investido, e o Imposto de Renda é de 22,5% a 15%.
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB):  é uma forma de emprestar seu dinheiro para o banco. O CDB é um título de renda fixa que coloca você como credor de instituições financeiras. O banco utiliza seu dinheiro, e ele retorna com juros. O valor a receber é conhecido no momento da contratação (modalidade prefixada) ou no fim (pós-fixada).
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e Letra de Crédito Imobiliário (LCI): títulos de renda fixa bem parecidos e isentos de Imposto de Renda. A diferença é o destino do dinheiro aplicado: agronegócio (LCA) e imóveis (LCI). Ambos têm retornos superiores aos da poupança e, no caso da liquidez, possuem prazo mínimo de três meses, normalmente.
  • Bolsa de Valores:  é atrativa pela diversificação, onde você pode destinar um percentual do seu investimento para as ações. Nessa modalidade, é preciso ingressar aos poucos, para se acostumar às flutuações desse mercado.
  • Letra de Câmbio (LC):  parecida com o CDB, mas é emitida por uma financeira e não por um banco. É um investimento de renda fixa com um risco maior. Embora apresente rentabilidade atrativa em relação a outros investimentos de renda fixa, tem liquidez, geralmente, apenas no vencimento. Tem o mesmo IR da renda fixa, sem custos extras.
Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *