InovaBra: a transformação das startups em grandes empresas

Na era das startups, como grandes empresas, mais tradicionais, se adaptam e se mantêm no mesmo caminho da inovação? Para o Bradesco, a solução foi uma bela união. O InovaBra Habitat, inaugurado em fevereiro em São Paulo, é um espaço de inovação que une startups ao banco e a empresas clientes do banco.

O projeto é uma das frentes do InovaBra, a plataforma de inovação do Bradesco. O prédio de dez andares abriga startups que atuam em áreas relacionadas a blockchain, big data, internet das coisas, inteligência artificial e computação imersiva.

Antranik Haroutiounian, diretor do Departamento de Pesquisa e Inovação do Bradesco, falou mais sobre o InovaBra no Congresso Nacional de Inovação, Trabalho e Educação Corporativa (Conitec 2018). O evento é promovido pela Associação Nacional de Inovação, Trabalho e Educação Corporativa (Anitec) duas vezes por ano, para discutir o papel da educação corporativa na inovação nas organizações.

Um ambiente de coinovação

Antranik explica que o InovaBra habitat é um dos instrumentos do InovaBra.

“Nós temos oito instrumentos para trabalhar inovação fechada, inovação aberta e investimentos. Inovação fechada com funcionários da organização, inovação aberta com startups, e o InovaBra Ventures, onde nós fazemos investimentos em startups.”

Segundo ele, o grande objetivo com isso é fazer coinovação. Aproveitar a rápida velocidade das startups para inovar e transformar setores mais tradicionais como o financeiro.

“Muitos dos projetos que as startups possuem, se fosse desenvolver internamente, não ganharia uma prioridade, diante das prioridades que o banco tem em termos de desenvolvimento de sistemas. A startup vem agregar valor para o banco, porque ela já tem algo pronto ou quase pronto, e tem aceleração para fazer o desenvolvimento e implantarmos rapidamente.”

Ele conta que no InovaBra habitat, além de o banco trabalhar com startups, são mais de 50 grandes empresas clientes do banco que também participam, fazendo coinovação.

Ecossistema InovaBra

De acordo com Antranik, o ecossistema InovaBra está estruturado em oito frentes.

“Por isso que o símbolo do InovaBra é uma geodésia, onde todos os pontos se conectam. Porque determinadas soluções não usam um único instrumento. São vários instrumentos para compor uma determinada inovação.”

Confira a seguir as oito frentes do projeto.

Polos

Inovação nas áreas de negócios do próprio banco. São mais de 100 funcionários dedicados a buscar novos modelos de serviços, produtos e soluções que tragam experiências ainda melhores para os clientes.

Inteligência Artificial

Inovação a partir da utilização inteligente de dados do próprio banco.

No centro de excelência, uma equipe de cientistas de dados é também responsável pela aplicação de inteligência artificial e computação cognitiva, com intuito de melhorar continuamente a interação dos clientes com o Bradesco.

Ventures

Fundo de investimentos do Bradesco em startups, no modelo de corporate venture, com R$ 100 milhões de capital proprietário.

A tese de investimentos é focada em plataformas digitais, blockchain, big data e inteligência artificial.

Startups

Programa de inovação aberta do Bradesco que dá a oportunidade para as startups trabalharem com clientes reais, testarem soluções na prática e crescerem com escala.

Em quatro edições, já foram avaliados 3.123 projetos, com 30 pilotos realizados em diversos temas.

Internacional

Um laboratório de inovação em Nova Iorque para prospectar startups internacionais, descobrir novos modelos de negócios e acompanhar de perto as principais tendências tecnológicas e comportamentais pelo mundo.

Habitat

Um ambiente de coinovação de 22.000 metros quadrados que é a tradução perfeita do ecossistema InovaBra.

Empresas e startups selecionadas pelo banco trabalham lado a lado com fornecedores de tecnologia, consultorias, aceleradoras e fundos de investimento para gerar negócios por meio de networking e colaboração.

Lab

Um espaço de trabalho colaborativo feito para aumentar a capacidade de inovação do banco e acelerar o processo de homologação de novas soluções.

Empresas de tecnologia parceiras do Bradesco contam com estrutura de laboratórios e arena de eventos para realizar demonstrações, sessões de ideação e prototipação.

Hub

A rede que conecta o InovaBra e o ecossistema de inovação brasileiro.

Uma plataforma digital colaborativa de empreendedorismo e inovação que conecta empresas, startups, profissionais e agentes do ecossistema de empreendedorismo e inovação brasileiro, dando acesso a conteúdos exclusivos e desafios reais de negócios.

Fintechs como parceiras, e não concorrentes

Hoje é grande o movimento de empresas tradicionais se aproximando de startups para conseguir soluções mais rápidas. É uma forma de se adaptar e sobreviver no mercado, mas também de inovar.

Para Antranik, é uma evolução. “Ao longo do tempo vão surgindo modelos para evoluir. De fato, quem não acompanha a evolução do mercado acaba ficando para trás. Está no DNA do Bradesco a questão do pioneirismo, desde a sua fundação. Em cada época, existe uma maneira diferente de se fazer inovação.”

As fintechs chegaram com tudo, revolucionando o mercado financeiro e oferecendo soluções mais atrativas aos clientes. Mas, enquanto alguns enxergam nessas fintechs uma concorrência, o Bradesco prefere apostar na parceria.

“Muitas delas são parceiras dos bancos. E muitas utilizam, inclusive, serviços dos grandes bancos, pela capilaridade que os grandes bancos têm. Elas vêm para cobrir determinados nichos ainda não explorados no mercado financeiro.”

Para o diretor, é uma maneira de as pequenas empresas terem oportunidade de participar desse processo. “A concorrência é sempre saudável, para as empresas e para os clientes.”

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *