Ela começou com R$100 e já conquistou a primeira loja física

Quem passa pela loja de Carollina Souza, toda decorada e iluminada, não imagina que a empreendedora começou com um investimento de apenas R$100. A Mania de Pulseira, recentemente inaugurada no Shopping do Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro, é a primeira loja física de Carollina.

A ideia nasceu em 2015 e hoje é tocada praticamente apenas por Carollina. Ela mesma faz os artigos, desde pulseiras até cordões, anéis e brincos. Sempre antenada com a moda, ela agora investe na tendência do momento, as correntes de óculos.

Primeira loja física mania de pulseira

O início de tudo

Carollina conta que, em julho de 2015, comprou duas pulseiras e gastou R$40 e R$20 em cada uma. “Meu namorado adorou, achou lindas, e perguntou por que eu não fazia.”

Ela ouviu o conselho e, na mesma semana, comprou material e gastou cerca de R$100. O catálogo inicial incluía poucas peças, que cabiam em uma necessaire.

Carollina vendia para amigas e conhecidas na faculdade de Marketing. Nessa época, ela fazia um estágio na área.

A decisão de empreender

“Eu comecei a ver que vendendo na faculdade as poucas pulseiras que eu conseguia fazer, estava ganhando mais que no meu estágio.” Assim ela apostou no sucesso da marca e largou o estágio em Marketing.

Resolveu aliar o conhecimento adquirido no curso de moda, que chegou a cursar por dois anos, e levar a ideia adiante por um preço acessível. “Quero apresentar peças que todos possam usar e mostrar que para estar na moda não precisa gastar muito.”

O negócio foi crescendo pela indicação das amigas de Carollina. Logo ela começou a participar de feiras pelo Rio de Janeiro com a Mania de Pulseira.

Primeira loja física mania de pulseira 2
Carollina Souza com a Mania de Pulseira em uma feira no Méier

A pedido dos clientes, ela criou uma loja virtual. Mas logo surgiu a necessidade, e até a cobrança dos clientes, por um ponto fixo.

“Tivemos uma loja virtual antes do ponto fixo e desde aquela época as clientes da Mania preferem comprar pessoalmente, experimentar os acessórios. Como já fazíamos feiras e muitas clientes preferiam ir até nós para conferir os produtos, resolvi apostar em um ponto fixo.”

A primeira loja física

Recentemente, a Mania de Pulseira inaugurou sua primeira loja física no Shopping do Méier, bairro onde Carollina fez a primeira feira com a marca. Além de pulseiras, a marca vende anéis, brincos e acessórios como chapéu de palha e viseira. A maioria das peças é produzida pela própria Carollina.

Na escolha do local, ela considerou onde tudo começou. “Considerei onde fizemos a nossa primeira feira, que foi no Méier. Como nosso maior público é o do bairro, pesquisamos um ponto ali mesmo.”

Na abertura da primeira loja física, ela enfrentou algumas dificuldades. “Saber a quantidade de estoque que era bom ter, o quanto produzir, para não sobrar e não faltar. É todo um aprendizado de quem abre seu primeiro ponto fixo.”

Hoje, a Mania de Pulseira conta com um acervo de mais de mil peças. “Comecei sozinha e no começo tive ajuda do meu namorado. Hoje já tenho uma funcionária e continuo tendo ajuda da família e do meu namorado.”

Acredite que você consegue. Não é fácil, vai ter que trabalhar duro, de domingo a domingo. Mas no final é gratificante.

E ela quer crescer mais

Após a abertura do quiosque, Carollina já planeja os próximos passos. “Consegui com muito esforço abrir minha primeira loja física após dois anos de marca. O planejamento é colocar a Mania de Pulseira em outros lugares do Rio nos próximos anos.”

Ela revela que o plano é abrir um novo quiosque até, no máximo, meio do ano que vem. “Quero ter um total de quatro aqui no Rio e um fora do Rio.”

Mesmo com o crescimento, Carollina continua apostando na produção artesanal e exclusiva. “O diferencial é a exclusividade, já que é tudo feito por mim. Busco referências mas sempre crio algo que seja a cara da marca. Também prezo muito pela qualidade das peças que uso.”

Conheça outras histórias de empreendedores

Histórias como a de Carollina servem de inspiração, todos os dias, para novos empreendedores em busca de motivação. Aqui no portal, procuramos compartilhar jornadas de sucesso como a de Carollina. Conheça algumas:

Rick Chesther: de vendedor de água a influenciador digital

De funcionária a dona de duas lojas, e crescendo

Claudio Miranda: ele transformou uma comunidade com a sustentabilidade

Fabio Ricotta: de estagiário a dono da Agência do Ano

David Portes: de camelô a empresário milionário

Chiquinho Sorvetes: do interior de Minas para os EUA

Você também pode acessar a lista completa de casos de sucesso! Inspire-se e tire sua ideia do papel. Depois, compartilhe aqui!

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *