De funcionária a dona de duas lojas, e crescendo

Depois de 15 anos como funcionária no setor privado, ela decidiu empreender. Especialista em RH, com passagens em multinacionais, Sabrina Capila escolheu a Mary Help para investir. O motivo? “Por ser profissional da área de Recursos Humanos e com a vivencia da escassez de mão de obra qualificada comecei a buscar por um segmento que pudesse conectar profissionais e clientes com um serviço de qualidade, com garantia, satisfação e segurança”, conta.

Mary-Help-011

Sabrina hoje é dona de duas unidades da Mary Help no Rio de Janeiro. A empresa é pioneira no agenciamento de diaristas no Brasil. Conta hoje com mais de 70 unidades no país. E além do agenciamento de diaristas, conduz processos seletivos de profissionais mensalistas e também terceiriza mão de obra para empresas.

Acredito que todo brasileiro tem o sonho de “ter seu próprio negócio”. Acho que sempre sonhei em ter uma empresa para chamar de minha, com a minha cara, com as minhas inovações. E enfim poder colocar em prática tudo que sempre sonhamos e às vezes não é possível.

Medo de empreender?

Muitas pessoas desejam fazer o mesmo que Sabrina, mas ficam com medo. Largar um emprego privado para se jogar na vida de empreendedor requer coragem. Mas, é preciso para driblar esse medo e acreditar que, com o planejamento adequado, o sucesso é questão de tempo.

“Costumo sempre dizer que não existe receita de bolo pronta para o sucesso. Empreender é um aprendizado diário onde é preciso atuar em cima de um planejamento financeiro rigoroso. Sem esquecer das estratégias chave, como assessoria, mídias, marketing, networking e etc.. Tudo isso tem que estar sincronizado na hora exata para não perder o momento oportuno de manter o negócio sempre impulsionado”, recomenda.

Sabrina acredita que o maior erro dos empreendedores é querer ter a certeza do retorno do capital investido, além da segurança financeira mensal. Quando a decisão é abrir seu próprio negócio, não pode existir medo.

Para ela, o sucesso de uma boa empresa está exatamente no bom planejamento a ser seguido. E mesmo se vier a ocorrer o fracasso, é preciso ter o plano B, C, D, até Z. Até que todas as tentativas sejam esgotadas.

Para a empresária, para que as chances de fracassar sejam praticamente nulas, o empreendedor deve ter:

Um plano de negócios bem consolidado;

Uma reserva financeira para investir no primeiro momento;

Aquela dose de energia positiva;

Bons profissionais para apoiar.

O fato de escolher uma franquia não foi à toa. Foi também uma forma de procurar uma certa segurança. “Entrei em um site de busca de melhores franquias para investir dentro do capital que eu tinha no momento. E dentro do segmento que tenho afinidade. Conheci a Mary Help e pesquisei tudo sobre a franqueadora, conheci o proprietário, que na ocasião veio até o Rio de Janeiro me conhecer e esclarecer todas as minhas dúvidas. Desde então tive a certeza de que a Mary Help era a empresa que eu procurava”, conta, orgulhosa.

Diferencial na qualificação

Ao identificar essa demanda no mercado, Sabrina pensou, a princípio, em criar seu próprio modelo de agenciamento de mão de obra e prestação de serviços. Mas, depois de pesquisar, percebeu que seria melhor aderir a uma franquia, pela sua urgênica. “Eu queria algo ‘para ontem’. E a assertividade de um modelo que já estava em funcionamento e com sucesso em São Paulo, e ainda sem início no Rio de Janeiro foi determinante”, conta.

A empresária aposta na qualificação, adotando um rigoroso processo seletivo. Para ela, esse é o grande diferencial de suas unidades, uma no Recreio dos Bandeirantes e outra em Nova Iguaçu.

“Meu diferencial inicia no filtro da profissional, com um cadastro extremamente rigoroso, entrevista pessoal para análise comportamental, checagem de referências e análise de antecedência criminal. Além de um treinamento padronizado para as práticas do dia a dia e como se portar.”

Para fazer parte da equipe de Sabrina, as profissionais devem ter experiência comprovada e preencher os pré-requisitos. Segundo, ela, é essencial também estar de acordo com os mandamentos da empresa. Entre eles comprometimento, ética, pontualidade, discrição, honestidade e qualidade.

5 dicas para ter uma equipe de qualidade

Sabrina Mary help (2)
A empresária Sabrina Capila, em uma de suas unidades da Mary Help

Muitos especialistas reforçam a necessidade do investimento em treinamento da equipe. E Sabrina concorda. “Treinamento é a base primordial para deixar claro e exemplificar ao profissional o que lhe será exigido, o que está dentro do esperado, o que nunca pode acontecer, o que é aceitável e o que exclui a profissional do nosso quadro.”

Pedimos à empresária que listasse cinco dicas para montar e manter uma equipe de qualidade. Confira abaixo!

1. Comunicação
“Necessita ser sempre clara e transparente, sem ruídos para que a mensagem chegue da melhor forma e não tenha entendimentos diferentes do esperado.”

2. Treinamento
“Precisa ser constante, é uma oportunidade contínua de reciclagem onde sempre vai ser possível mensurar a qualidade da equipe, os pontos a aperfeiçoar e também a enaltecer.”

3. Motivação
“Primordial para manter uma equipe com qualidade é dizer o quão satisfatório é ter o profissional como parte da equipe. É repassar os elogios recebidos e até mesmo citar os exemplos de como o profissional está fazendo diferença.”

4. Incentivo
“Procurar sempre criar incentivos onde os colaboradores possam de fato se sentir valorizados pelo trabalho que vem sendo executado. Seja um presente no dia do aniversário, um bônus por ser o “profissional do mês”, uma folga inesperada. Afinal, espero sempre que meus colaboradores deem o seu melhor diariamente, superando expectativas. Então, também reconhecer nos momentos propícios.”

5. Feedback
“O sucesso de uma boa empresa precisa sempre estar alinhado entre os profissionais e as necessidades e metas da empresa. O feedback é essencial para corrigir eventuais falhas e também reforçar os padrões já pré-determinados, de modo a conduzir sempre a empresa para o caminho que levará ao sucesso.”

Planos futuros

Sabrina comemora o sucesso das unidades da Mary Help, mas não tem intenção de parar por aí. Ela é consciente de que o negócio pode ainda alcançar voos muito maiores, e se expandir.

Sua meta é continuar prestando um trabalho com qualidade e segurança, permitindo que todas as pessoas que precisam de mão de obra qualificada entendam que é possível, sim, contratar uma empresa, pagar um preço acessível e assegurar a qualidade e confiança do serviço.

“Quero expandir para a Zona Sul, pois hoje tenho muitos clientes nessa localidade e acredito que uma base física seria bem-vinda. Então, pretendo abrir mais uma unidade, possivelmente em Copacabana. E isso deve ocorrer até julho deste ano”, planeja.

Quando perguntamos se Sabrina é feliz hoje, como empreendedora, ela responde, rindo: “Costumo dizer que felicidade é um conjunto de fatores que misturam o pessoal, profissional, sentimental, familiar, financeiro e etc. Mas, posso dizer que estou bem feliz com minha opção profissional, a empresa vem caminhando de forma crescente e dentro do esperado. E isso me faz ter a certeza que estou no caminho certo”.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *