Como ganhar dinheiro com afiliação

O mercado de afiliação cresce ano a ano no Brasil. Como empreender nessa área e ganhar dinheiro sendo um afiliado? Já pensou nisso?

A afiliação é, para muitos, uma alternativa de renda extra. Mas já é grande o número de pessoas que apostaram nesse mercado, se profissionalizaram e transformaram essa renda extra em fonte primária de dinheiro.

A expansão das redes sociais, o crescimento das comunidades e a própria facilidade trazida pela Internet aumentaram a atuação dos profissionais de afiliação. Inclusive com a chegada de mais redes de afiliados.

Para você entender melhor esse assunto e começar a empreender nessa área, convidamos quatro grandes nomes do mercado de afiliação para um podcast especial. Em um bate papo enriquecedor, eles explicaram quem pode ser um afiliado e como funciona a ferramenta de afiliação, além de darem dicas de como ganhar dinheiro com afiliação.

Conheça os convidados

Flávio Lima afiliação
Flávio Lima, da EMD Growth Hacking

Quem conduziu a conversa foi Flávio Lima, co-fundador e CEO da EMD Growth Hacking. Com dez anos de experiência em afiliação, ele falou sobre a importância dos grupos de Facebook, os níveis de afiliados e os segmentos que mais crescem dentro desse mercado.

Fernando Quintella
Fernando Quintella, da Actionpay

Fernando Quintella é CEO da Actionpay, uma rede de afiliação global, presente em 15 países. A Actionpay Brasil nasceu no início de 2014, como parte da expansão global da Actionpay na América Latina. A empresa conta com uma grande rede de lojas e afiliados, oferecendo uma ferramenta que conecta os dois lados desse mercado.

Rodrigo Azevedo
Rodrigo Azevedo, do Vigia de Preço

Rodrigo Azevedo, gerente comercial do Vigia de Preço, é responsável pelo relacionamento com parceiros diretos e indiretos. O Vigia de Preço oferece um completo assistente de compras para Google Chrome e Firefox, com serviço de histórico de preço, checkout automático de cupons, lista de cupons e ofertas, além de alerta de frete. A ferramenta é integrada às maiores redes de afiliação do Brasil, com mais de 500 lojas parceiras.

André Ferreira
André Ferreira, do Vigia de Preço

André Ferreira completa o time de feras desse podcast. Ele é CEO do Vigia de Preço e falou sobre a evolução de um afiliado, desde o início até sua profissionalização. Contou também como sua empresa conseguiu melhores resultados depois que ele entendeu a importância do relacionamento.

O que é afiliação?

Fernando Quintella, da Actionpay, lembrou que esse mercado de afiliação já está no mundo inteiro. Hoje, já representa uma parte muito significativa da venda online. “Viemos para o Brasil tem quatro anos e estamos crescendo bastante.”

Eu entendo a afiliação como uma conexão entre uma pessoa ou uma empresa com um anunciante. Eu como uma rede de afiliados faço essa conexão. – Fernando Quintella

Por exemplo, a Actionpay conecta um blog com uma grande empresa, como Americanas ou Netshoes. “Eu consigo disponibilizar um anúncio das Americanas para colocar em um site de uma pessoa que não necessariamente tem volume para poder ter um anúncio direto com eles. Eu faço o link que o usuário saiu daquele blog, foi até as Americanas e fez uma compra”, explicou.

O modelo adotado é chamado de CPA (custo por venda).  A Actionpay atribui uma venda realizada para quem conseguir levar o usuário para o site do anunciante, e lá ele realizar uma compra.

Rodrigo Azevedo, do Vigia de Preço, destacou que um afiliado pode ser qualquer empresa que tenha sua tecnologia de venda, assim como qualquer pessoa que pode tornar seu próprio Facebook ou Instagram um espaço publicitário. “Ele anuncia qualquer produto dessas empresas, se afiliando a uma rede de afiliação.”

Quem pode ser um afiliado?

Flávio Lima, da EMD, provocou os demais convidados com algumas perguntas. A ideia era propor o debate sobre uma pessoa, por exemplo, que está em casa e quer ter uma renda extra.

“O que ela pode fazer para ser um afiliado? Que verticais ela pode trabalhar? Quando eu falo verticais é: de que formas ela pode trabalhar?”

Para ele, hoje existem várias frentes de tecnologia com que essas pessoas podem começar. Desde uma pessoa que tem um blog de conteúdo. Por exemplo, se ela tem um site de casamentos, bebês ou itens de moda.

“Essa pessoa pode pegar um banner, ou seja, um anúncio, lá na plataforma da ActionPay e colocar no seu blog. Gerando uma venda através de uma visita, ela ganha uma comissão.”

Existem também outras formas de fazer isso. Como as redes sociais, principalmente Facebook e Instagram. “Mas tem também outra coisa que está muito em alta. Os grupos do Facebook viraram grandes fontes de receita para esses pequenos empreendedores que estão iniciando”, lembrou.

Para Fernando Quintella, antes de tudo, é preciso ter um foco. “Eu acho que quando você está nascendo, você tem que parar e estudar. Tem que pensar no que você vai trabalhar, qual é o teu nicho. Não dá para você hoje tentar atacar o mundo inteiro.”

Por exemplo, se sua estratégia vai ser moda. Dentro de moda há segmentos. Como roupa de verão, roupa de surf, roupa de inverno.

Definido o seu segmento, você vai criar um grupo no Facebook ou um pequeno blog. Ou seja, vai criar fontes de tráfego para começar a atrair as pessoas.

É dentro desse grupo que você vai começar a divulgar produtos de outras pessoas. E é aí que nasce o afiliado com uma renda extra.

Para André Ferreira, da Vigia de Preço, no caso das pessoas que não têm conhecimento técnico de programação ou não têm investimento inicial, existem várias opções. Por exemplo, começar como influenciador, em grupos do Facebook.

Tem vários casos reais de pessoas que eu conheço que começaram com grupos do Facebook, soltando publicações de um nicho específico, por exemplo, sapatos ou roupa feminina. E conseguiram bons resultados. – André Ferreira

Como começar?

“É importante para quem está começando entender uma coisa, que eu vejo que dá resultado: pesquisar antes de começar. E você ter uma estratégia bem definida. Por exemplo, não adianta hoje você tentar ser, logo no início, um comparador de celular. Está todo mundo falando disso. Se você tentar falar mais sobre um novo celular, a chance de você conseguir aparecer no Google e nos buscadores, com tráfego, é muito baixa”, explica Fernando Quintella.

É importante que você, antes de começar, pense onde você quer atingir. Mas tem que ser um nicho que, obviamente, tenha renda.

“Eu não posso falar de uma coisa que ninguém esteja vendendo, que não tenha interesse de ninguém. Mas que também não exista um milhão de pessoas comparando. Para você conseguir ser forte naquele nicho.”

Precisa ser algo que você goste, que faça parte da sua vida. Alguma coisa que você ache que casa bem com você. Tente focar num nicho: sapato, casaco, neve, corrida, esporte…

“Foca nisso e começa a gerar conteúdo relevante. Começa a adicionar posts, com uma publicação constante.”

Outra orientação importante parece clichê, mas não é: não desista! “Porque o primeiro mês vai ser muito ruim. Você vai ver que não vai gerar tráfego, não vai gerar renda. Nos primeiros meses não é um boom de tráfego. Depois, aquilo vai crescendo, daqui a pouco você tem uma empresa e funcionários”, projeta Fernando.

Relacionamento é 80% do negócio

André contou que, uma vez, um amigo falou que 20% é tecnologia e 80% é relacionamento. “Quando eu entendi isso, percebi que não adiantava nada só ter uma tecnologia boa e não ter os relacionamentos com as lojas.

Ele apostou na construção de um relacionamento mais firme com as redes, em vez de ficar tentando sem ter um direcionamento. “Foi aí que a empresa começou de fato a se profissionalizar e a ter um faturamento aceitável para conseguir manter a operação.”

Flávio resumiu os níveis de afiliados, nessa ordem:

1º) Quem está começando, tendo insights de conteúdo e em grupos de Facebook;

2º) Os influenciadores, com conteúdo um pouco mais relevante, mais seguidores, mais detalhes sobre o que eles estão falando e mais engajamento;

3º) Acima disso você começa a ter as tecnologias, como os sites de cupom, comparadores de preço e grandes portais de conteúdo;

4º) E depois, acima disso tudo, você vai ter grandes corporações, com compra de mídia, retargeting e grandes tecnologias para trazer ainda mais volume para o mercado.

André lembrou também que é comum que o afiliado comece com um propósito e depois passe a ser mais generalizado.

“Quando a pessoa começa a entender um pouco mais de afiliação, que cada loja paga uma comissão diferente, que o preço médio daquela loja é maior ou menor do que outra, ela começa a abrir mais o leque de opções, em vez de focar em um produto só.”

Moda e viagem são segmentos que mais crescem

Nesse momento da conversa, os quatro especialistas falaram sobre as áreas que mais crescem no mercado de afiliação. Para Fernando, o segmento de moda vem crescendo constantemente nos últimos anos.

“Em paralelo, acho que deu um boom a parte de viagem, que é outro segmento muito forte.” Antecipando uma tendência, ele destacou o nicho de aplicativos.

“Eu vejo isso fora do Brasil e vai explodir daqui a pouco aqui, quem está começando já pode pensar nisso.” Há um mercado muito forte de instalação de aplicativo, onde você pode recomendar um aplicativo novo e ganhar dinheiro com isso.

Flávio também destacou o mercado o de moda. “Cada vez temos mais lojas, especialmente até na ActionPay, que veio com grandes lojas de varejo no segmento de moda esse ano. Vem crescendo muito o número de vendas e eu acho que é uma tendência.”

Para André, o segmento de moda tem muito a crescer ainda.

“Porque o consumidor ainda está muito acostumado a ir na loja e vestir. Mas a partir do momento que você tem confiança em uma marca, já sabe seu tamanho, e essa marca tem um padrão de qualidade, é comum que os consumidores comecem a comprar online.”

Já Rodrigo não vê um nicho específico que esteja tão em destaque assim.

“É claro que a gente tem os que sempre estiveram em destaque, como moda, esporte, viagem. Você tem os nichos maiores, onde você se comunica com mais pessoas. Mas se você é uma loja pequena você também consegue se conectar com seu público através da afiliação.”

Como escolher seu nicho?

Para Fernando, é interessante que o afiliado comece a divulgar algo em que ele acredita. “Temos uma lista de lojas, o que não falta é nicho. Você entrando lá, vendo todas as lojas, tem que acreditar no produto. Porque como a gente também trabalha com performance, não adianta nada 1 milhão de cliques em uma loja que não vende.”

Segundo ele, acreditar naquele produto e naquela loja faz toda a diferença. Pois você só consegue recomendar um produto se você acredita nele. Senão soa falso.

Para quem tem dúvida nessa escolha, ele deixa a dica. “Pega o segmento que você gosta e começa a ver as marcas em que você acredita. Depois você pode colocar outros segmentos, quando você achar que aquele nicho já está bem saturado com seu público.”

Focando naquilo em que você acredita, você conseguirá falar bem do produto de forma natural e verdadeira. Vai poder gerar um conteúdo relevante, que as pessoas vão ler e gostar.

“Tem que tentar pensar algo fora da caixa”, ressalta Fernando.

Passo a passo para se tornar um afiliado

A Actionpay é especialista em conectar uma rede de afiliados a grande empresas. Para começar, é bem simples. Quem explica é Fernando Quintella. “Primeiro, a pessoa tem que ter uma fonte de tráfego. Mas, o que é uma fonte de tráfego? É um Facebook, um blog já criado. Um perfil no Facebook já é suficiente.”

Confira alguns tipos de fonte de tráfego para quem está começando:

Perfil no Facebook

Grupos do Facebook

Instagram

Blog

Site

Vídeo (YouTube)

No site da ActionPay, no canto superior direito, há um botão de cadastro. Basta de cadastrar gratuitamente e fazer a confirmação de e-mail. Depois disso, já estarão disponíveis mais de 300 campanhas abertas para você.

Cada campanha tem uma regra, e você precisa ler com atenção. Dentro das regras tem quanto ela vai pagar, o que você tem que fazer, o que ela permite. “Por exemplo, tem campanha que não permite Facebook”, lembra Fernando.

Na ferramenta, você vai ter todos os materias de divulgação. Como banners, links, peças de e-mail e cupons. Você pode escolher que material quer usar.

“Vamos dizer que você escolheu um banner das Americanas e colocou em seu site, com o link de uma campanha. Se alguém clicar e realizar a venda no site das Americanas, você ganha uma comissão.”

A partir dessa venda, você verá a compra como pendente na ferramenta da Actionpay. É preciso aguardar a confirmação das Americanas quando à efetivação do pagamento, para que sua comissão seja liberada.

A comissão varia dependendo da categoria da loja. Moda costuma dar acima de 10%. Por exemplo, em um produto de R$100, o afiliado ganharia R$10. Já se você for para a parte de tecnologia, como computador e celular, essas comissões caem para 3% ou 5%, devido ao preço maior do produto.

Na plataforma da Actionpay, a partir de R$50 de comissão você já pode fazer o saque. Por exemplo, se você fez cinco vendas de R$100, ganhou R$10 em cada uma, totalizando R$50. Então você pode resgatar esse dinheiro para a sua conta bancária. Você faz o pedido de resgate e na semana seguinte o dinheiro cai na conta.

Além da Actionpay, há outras opções de redes de afiliados, como RakutenAfilioCityads.

Como ser um afiliado de sucesso?

Depois de cumprir esse passo a passo e se tornar um afiliado, você terá que se destacar no mercado de afiliação. Só assim conseguirá realmente ganhar dinheiro com isso.

Para você ser um grande afiliado, você tem que trabalhar mais que todo mundo. É muito simples. Assim como qualquer coisa na sua vida, não adianta querer trabalhar só das 9h às 17h que não vai funcionar. Quanto mais você trabalhar, mais resultado você vai ter. Essa é a realidade da vida. – Flávio Lima

Para Rodrigo, é preciso acreditar no que você está fazendo. Saber o que está fazendo e conhecer com quem você está se comunicando. “Eu já trabalhei quatro anos em rede, vi muita gente começar pequenininha e criar uma grande empresa, inclusive tendo que contratar outras pessoas para ajudar.”

Já André acredita que a chave de tudo é o relacionamento. “Obviamente, tem que trabalhar muito. Minha empresa só começou a dar certo quando eu entendi que o relacionamento é o principal de tudo. Nossa primeira experiência de sucesso só aconteceu por causa de parcerias, contatos e amigos. É muito importante você construir uma base sólida de relacionamento com as redes, com as lojas e com seu público, principalmente.”

Por fim, Fernando ressalta que é possível ganhar muito dinheiro, sim. Mas afiliação não é milagre.

“Não ache que vai ficar milionário sem trabalhar. Tem que gerar conteúdo, post, movimentar pessoas, divulgar, fazer coisas legais. Se for fazer a mesma coisa que todo mundo está fazendo, não vai gerar grandes resultados.”

É preciso se diferenciar e não desanimar. Quem está começando vai ter muito trabalho e pouco retorno. Mas a persistência pode trazer bons frutos.

“A Internet é uma coisa que de uma hora para outra explode. Vai começando que daqui a pouco as pessoas te acham, o Google te acha, e daqui a pouco você pode ter um grande resultado.”

A receita é essa: definir seu nicho e começar a gerar conteúdo. Mas, principalmente, manter a frequência e não desistir.

Estude bastante também. Aproveite, por exemplo, alguns cursos online gratuitos para afiliados. “Dá para ter bastante resultado, ganhar dinheiro e crescer”, completa Fernando.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *