Autocoaching e motivação no mundo corporativo

José Haddad é palestrante, coach, mentor e escritor, além de especialista em PNL. Com mais de 25 anos de experiência, já ocupou cargos executivos em grandes empresas, treinou e motivou pessoas em diversas áreas do universo corporativo. Ele se diz um apaixonado por Excelência Humana e Organizacional.

Conversamos com José Haddad no RH-Rio 2018, evento de Gestão e Recursos Humanos que aconteceu no Rio de Janeiro. Ele falou sobre autocoaching e motivação, como a emoção influencia no ambiente corporativo, e como é importante pensar no seu propósito de vida.

Um dos livros de José Haddad é sobre o Método 5S do Coração, que tem a ver com autocoaching. Ele explica que adaptou um método japonês (onde o S significa senso) usado em larga escala nas empresas. Consiste em um programa para melhorar performance e diminuir desperdício.

“É o programa mais básico voltado para qualidade total. Foi trazido pelos japoneses na época da guerra para melhorar armamento.
Só que agora a empresa é o leitor e o lucro é a sua capacidade de lucrar com os conhecimentos desse livro.”

Nesse sentido, no autocoaching José alia a ferramenta de coaching ao 5S. A ideia é dar a oportunidade de a pessoa se desenvolver pessoalmente e profissionalmente, em várias áreas de relacionamento.

Existe nesse livro um estrela de suporte, que é uma estrela de cinco pontas. “Na verdade nós somos uma estrela no mundo.” O desenho representa seis projetos, com a possibilidade de dar uma nota para cada projeto. “Se você se der uma nota boa em cada projeto desse, sua estrela está brilhando.”

José acredita que cada pessoa está no centro dessa estrela. “Nós estamos no mundo para brilhar.”

Mas, por que o método é do coração? “Não é só o 5S, é o 5S do coração. Porque eu trago a lembrança da linguagem do coração, que é a melhor ferramenta já trazida para a humanidade. O amor é a ferramenta mais poderosa que existe.”

Segundo José, o livro é, ao mesmo tempo, técnico e filosófico. “Depois de se avaliar nos projetos da estrela, se a pessoa se avaliar mal em uma das arestas, ela vai fazendo o autocoaching e criando um planejamento para ter êxito na vida.”

“Muitos chefes, poucos líderes”

Outro tema que José Haddad domina é liderança. Ele tem, inclusive, um artigo em seu site que diz que hoje temos muito chefes e poucos líderes.

Segundo José, para ser chefe não é preciso ter muitos atributos. “É só falar grosso, dar duas pauladas na mesa e fala ‘aqui eu mando, vocês obedecem’, pronto.”

Ele acredita que um chefe não faz outro chefe. Mas um líder constrói outros líderes.

Uma diferença básica é que, enquanto o chefe está só no campo da inteligência operacional, o líder está no campo da sabedoria. O líder conhece muito dele mesmo e, por isso, é capaz de conhecer o outro.

Motivação no mundo corporativo

De acordo com José Haddad, emoção é energia em movimento. “Nós somos energia. Então nós somos emoção.”

Para ele, o que canaliza a energia é a motivação. O conjunto de motivos que gerenciam as ações.

“A importância da emoção nesse contexto é total. Porque qualquer ambiente tem um sistema energético, antes de qualquer coisa. Tem uma energia acontecendo ali. E é preciso curar essa energia. Ver onde ela não está com uma coloração boa e colocá-la para fluir melhor.”

Ele lembra que hoje a física quântica já prova que somos seres energéticos. “Tudo nasce na energia. É preciso, primeiro, entendermos o que é isso. Segundo, saber como isso se comporta em um sistema corporativo onde haja senso de corporativismo e fluidez nos processos e na gestão.”

Para ele, é muito importante hoje cuidar da emoção das pessoas. “Para que elas estejam bem motivadas e façam algo produtivo e útil para elas, para a comunidade, para a empresa e para o mundo.”

Um bom líder, para José, é justamente aquele que emana essa energia boa.

Propósito de vida

Para quem empreende hoje em dia, em uma jornada diária de superação, José Haddad deixa alguns conselhos para não perder a motivação e sempre seguir em frente.

“É buscar o seu sentido de utilidade no mundo. E aí precisa responder a pergunta: o que eu estou fazendo aqui? É preciso buscar o seu propósito de vida.”

Segundo José, uma pessoa que não tem um propósito de vida não vai estar estimulada a vida inteira. Ela vai estar estimulada para um objetivo sempre curto. E isso é desanimador.

A pessoa que não tem um propósito de vida que seja realizável em toda a sua existência vai ter sempre uma tendência ao desestímulo. Quem tem um propósito bom de vida, até o último dia de vida dele na Terra, vai estar estimulado a cumprir o seu propósito de vida. Qual legado que eu quero deixar para o mundo? As pessoas precisam pensar sobre isso.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *