5 melhores maneiras de reduzir custos nas empresas

A garantia de bons resultados tem sido cada vez mais ligada, por muitos analistas, à redução de custos, principalmente, em épocas de crise econômica. Assim, além de diminuir os gastos, a margem de lucro tende a aumentar e, consequentemente, a competitividade.

Ao mesmo tempo que se reduz, é possível investir. Isso porque, com uma estratégia bem planejada e definida, os investimentos são direcionados para ações que realmente vão alavancar os negócios.

reduzir custos nas empresas

Mas, como reduzir custos sem causar impactos negativos? Algumas estratégias podem ser mais simples do que você imagina. Sendo assim, elas podem melhorar os processos e serem aplicadas de maneira rápida e constante. Veja como!

1. Incentive novos hábitos

Pode parecer algo repetitivo, mas ainda existem empresas que não fazem! Então, chegou a hora de espalhar incentivos para hábitos sustentáveis pela sua empresa. Um forma de colaborar com a natureza, evitando gastos exagerados de eletricidade e água, por exemplo.

Além disso, sua marca pode ganhar o reconhecimento pelas atitudes positivas. Não é à toa que simples plaquinhas de “apague a luz” e “verifique se as torneiras estão bem fechadas” incentivam bons hábitos e têm alto retorno, criando, consequentemente, uma cultura de desperdício zero.

A adoção de práticas sustentáveis fortalece a imagem da marca e não precisa necessariamente de grandes investimentos. Trocar os copos de plástico por canecas, alertar sobre o uso consciente da impressora e de papel, trabalhar com fornecedores próximos da sua região — evitando alto gasto com combustível — são maneiras de diminuir custos e cuidar do meio ambiente.

No mesmo contexto dos bons hábitos, o preço da energia elétrica é um dos “vilões” na soma dos custos de uma empresa. O uso indiscriminado de eletricidade pode aumentar e muito as despesas.

Por isso, aproveitar o máximo da luz solar com janelas e portas abertas, e manter as lâmpadas apagadas quando não tiver ninguém no ambiente são atitudes simples que afetam positivamente as contas.

O ar condicionado, por exemplo, pode ser usado com moderação, sendo desligado sempre que for possível manter janelas abertas e que a temperatura estiver amena. Durante a noite e no período de almoço, se possível, desligue os aparelhos elétricos, evitando o standby, pois eles continuam consumindo energia nesse modo.

Com essas atitudes, você troca o ar no ambiente deixando-o mais confortável e natural, e ainda economiza na conta de luz.

2. Avalie seus fornecedores

O pleno funcionamento de uma empresa também depende de seus fornecedores. Entretanto, os custos dessas parcerias podem ser elevados. Portanto, é preciso pensar em maneiras de reduzi-los sem perder a qualidade e a confiança dos clientes.

A pesquisa de mercado em relação aos fornecedores deve ser constante e a empresa deve ser aberta a experimentar novos caminhos, quando necessário, sempre pensando nos benefícios financeiros de uma possível fixação de serviços e/ou produtos combinados, ou seja, entregues por um mesmo fornecedor.

É comum ver gestores que acreditam que este é um custo imutável, mas os fornecedores precisam ser avaliados e comparados de tempos em tempos, pois não compensa insistir em uma parceria que não esteja dando o retorno suficiente.

3. Cuide de seus colaboradores

Envolver os funcionários é inevitável, porém, diferentemente do que muitos gestores pensam, os cortes não precisam (e não devem) ser a única e primeira opção. Até porque uma demissão ou contratação tem gastos envolvidos que podem ser evitados.

Antes de contratar verifique se realmente é necessário alguém para aquela vaga no momento. Da mesma maneira, antes de demitir, analise as possibilidades de realocar o funcionário ou capacitá-lo para a vaga que ocupa.

A conscientização dos colaboradores quanto à situação da empresa pode levá-los a vestir a camisa. Busque reforçar a importância deles para o bom andamento do negócio e sempre que possível deixe-os participar de decisões em relação ao planejamento de metas.

A terceirização e a contratação de autônomos também pode ser uma alternativa para demandas específicas, que não fazem parte das atividades rotineiras da empresa. Lembrando que cada caso deve ser analisado e avaliado de acordo com as necessidades do seu negócio.

4. Aposte na gestão estratégica de resultados, custos e preços

Nem sempre é barato ser criativo e economizar ao mesmo tempo. Por isso, a equipe toda precisa estar unida na hora de inovar e aplicar processos de redução de custos nas empresas. Uma cultura de economia é essencial para incentivar a participação, já que assim os colaboradores podem compartilhar e desenvolver suas ideias.

Para manter a lucratividade de um negócio, deve ser realizada uma análise criteriosa, para que a redução não cause impactos negativos. Uma consultoria em finanças focada nos resultados é importante para chegar a resultados positivos, ou seja, é um investimento que trará retornos e, consequentemente, diminuirá as despesas.

Mesmo sendo simples, essas maneiras de redução de custos garantem o crescimento do seu negócio de maneira inovadora e sustentável. Com o tempo, o poder de compra aumenta e novos investimentos podem acontecer.

Além disso, a redução bem planejada de custos nas empresas é um jeito eficaz de evitar surpresas e problemas no futuro.

5 – Melhore os processos

As empresas, em sua grande maioria, têm processos operacionais com grandes gargalos, e isso acaba gerando custos, algumas vezes, enormes. O primeiro passo para se otimizar um processo adequadamente é o mapeamento deles.

O detalhamento passo a passo de como a operação ocorre na empresa é fundamental para o início do mapeamento. E logo após, o que deve ser feito é inserir as atividades dentro de um software.

Atualmente há dezenas de softwares, alguns até gratuitos, desenvolvidos para usuários que mesmo sem conhecimento conseguem mapear os processos de forma clara e objetiva. Depois da identificação dos gargalos, é hora de resolver esses gargalos e otimizar os processos.

Enfim, o que achou das dicas? Algumas são mais fáceis de implementar e outras, mais complexas.

O que deve ficar claro é que implantar a cultura da redução de custos na empresa é um processo longo. Com o objetivo sempre constante de redução de custos sem impactar na qualidade dos seus produtos ou serviços, e que pelo contrário podem aumentar a satisfação dos clientes.

Afinal de contas, a gestão de custos é a escolha dos melhores benefícios a serem adotados na gestão da sua empresa.

Esse texto foi produzido por Pedro Parreira, mestre em economia de empresas, diretor da Parcon Consultoria há mais de 40 anos atuando na Gestão de Custos de empresas de todo porte.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *